sábado, 16 de julho de 2011

Espero

É de tu menina, do sorriso sincero,
Que a luz teus olhos que ilumina,
Todo amor que há muito tempo espero!


16 de julho de 2011
Carlos Eduardo Bronzoni

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Que o teu amor seja infinito,
E o teu sorriso perene.
Que tuas lágrimas reguem a alegria,
Que vive em tua alma,
Porque ela é eterna,
Onde não tem ontem, nem amanhã,
É sempre hoje!

8 de julho de 2011
Carlos Eduardo Bronzoni

quarta-feira, 6 de julho de 2011


Tu és o anjo que me seduz,
A estrela que me orienta à noite.
Para mim do amanhecer é a luz,
Que me livra da dor, o açoite.

Carlos Eduardo Bronzoni
6 de julho de 2011



quarta-feira, 29 de junho de 2011

É tudo!

Quando se ama todos defeitos são desfeitos,
Todos pecados são perdoados,
Os segredos conhecidos...
 
Quando se ama dispensamos cerimônias,
Perdemos a timidez e a vergonha.
E o amor que conhecemos muda,
Se torna maior e melhor.
 
Quando esse amor é real,
Nos permitimos viajar nos sonhos,
Nos deixamos guiar pelo outro,
Confiamos...
 
É o amor que nos aquece no frio,
E refrigera a alma no calor.
É um amor simples e complicado,
É cheio de nuances e direto.
 
É TUDO!

Carlos Eduardo Bronzoni
29 de junho de 2011

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Amar bonito…

Talvez seja tão simples, tolo e natural que você nunca tenha parado para pensar: aprenda a fazer bonito seu amor. Ou fazer o seu amor ser ou ficar bonito.
Aprenda, apenas, a tão difícil arte de amar bonito.
Gostar é tão fácil que ninguém aceita aprender…
Tenho visto muito amor por aí. Amores mesmo: bravios, gigantescos, descomunais, profundos, sinceros, cheios de entrega, doação e dádiva. Mas esbarram na dificuldade de se tornar bonitos.
Apenas isso: bonitos, belos ou embelezados, tratados com carinho, cuidado e atenção. Amores levados com arte e ternura de mãos jardineiras.
Aí, esses amores que são verdadeiros, eternos e descomunais, de repente se percebem ameaçados e tão-somente porque não sabem ser bonitos: cobram, exigem, rotinizam, descuidam, reclamam, deixam de compreender, necessitam mais do que atendem, enchem-se de razões.
Ter razão é o maior perigo no amor. Quem tem razão sempre se sente no direito (e o tem) de reivindicar, de exigir justiça, equidade, equiparação, sem atinar que o que está sem razão talvez passe por um momento de sua vida no qual não possa ter razão.
Nem queira! Ter razão é um perigo: em geral enfeia um amor, pois é invocado com justiça, mas na hora errada. Amar bonito é saber a hora de ter razão.
Cheio ou cheia de razões, você separa do amor apenas aquilo que é exigido por suas partes necessitadas, quando talvez dele devesse pouco esperar, para valorizar melhor tudo de bom que de vez em quando ele pode trazer.
Quem espera mais do que isso sofre e, sofrendo, deixa de amar bonito.
Sofrendo, deixa de ser alegre, igual, irmão, criança.
E sem soltar a criança, nenhum amor é bonito…
Não teorize sobre o amor, ame. Siga o destino dos sentimentos aqui e agora. Seja apenas você no auge de sua emoção e carência, exatamente aquele você que a vida impede de ser.
Seja você cantando desafinado, mas todas as manhãs. Falando besteiras, mas criando sempre. Gaguejando flores. Sentindo o coração bater como no tempo do Natal infantil.
Revivendo os caminhos que você intuiu em criança…
Deixe o seu amor ser a mais verdadeira expressão de tudo que você é. Cuide agora da forma do amor. Cuide da voz. Cuide da fala.
Cuide do cuidado.
Cuide de você.
Ame-se o suficiente para ser capaz de gostar do amor e só assim poder começar a tentar fazer o outro feliz.
Artur da Távola

FAMÍLIA

FAMÍLIA

Seguidores

Pesquisar este blog

Carregando...